Viela 17 - Confinadas
Música: Confinadas Letra: Japão Produção Executiva: Dani Mara Produção Artística: Viela17 Produções Selo: Viela17 Music Produção Musical: Dj Raffa Santoro Mixagem e Masterização: Dj Raffa Santoro Shows: contato@viela17.com.br viela17producoes@gmail.com (61)993008177 Ouça em sua plataforma digital preferida Spotify https://open.spotify.com/album/1SOKa8... Deezer https://www.deezer.com/br/album/17118... Tidal https://tidal.com/browse/album/154181551 Ficha Técnica Produção Executiva: Dani Mara Produção Artística: Viela17 Produções Produção Cinematográfica: Trupe do Filme Direção: Ana P. Araújo Roteiro: Japão Montagem, Edição e Finalização: João Barroso e Gabriel Lou Direção de Fotografia: João Barroso Assistente de câmera: Gabriel Lou Maquiagem: Anderson Matteus Fotografia Still: Lívia Vanessa Atores: Vanessa Alves, Glaidson DD, Marcelo Chicano e Wilson Silva Apoio: Viela17 Shop, BSB Drift, DD Eletric Tuner e Beeeyewear Letra Refrão Refém da covardia porém Diante ao trauma acuada além Passa a visão vamo No 12 fechadão Segue e vem Se ramelou é poucas Testa que tem É isso Refém da covardia porém Diante ao trauma acuada além Passa a visão vamo No 12 fechadão Segue e vem Se ramelou é poucas Testa que tem Conselhos nunca adiantaram Por mais que enfrentamos O conflito nos persegue claro Diante do terror Futuro indefinido De um lado morte lenta Acelera com o vírus maldito Facista sai gritando Salve a pátria Enquanto o coro come A playboyzada vem e me roga praga O mundo tá girando ao contrário Você espanca a dona E resultado é o fim do resultado Não passo pano pra agressor (é isso) Filho da puta andou no bonde Foi traíra a comissão cobrou Por mais que tenta Todo atraso que sustenta Vacilo na arena Tu deu brecha e nos condena (é real) Nunca tivemos afinados Sustenta o papo torto Que estamos unido ao mesmo barco No flash vejo a embarcação Comedia esbanja luxo Enquanto a preta chora no porão Não mudou mãe sustenta o papel de pai O macho alfa Vende a filha Pra quem paga mais Olhar distante O problema sempre bate a porta Mulher violentada por cretino E se reage é morta E a favela arrastando o luto Amarga a guela abaixo a injustiça do sistema imundo Pois não deu nada pro doutor A casa cai Tu segue verme Sua conduta que financiou Refrão Refém da covardia porém Diante ao trauma acuada além Passa a visão vamo No 12 fechadão Segue e vem Se ramelou é poucas Testa que tem É isso Refém da covardia porém Diante ao trauma acuada além Passa a visão vamo No 12 fechadão Segue e vem Se ramelou é poucas Testa que tem Misógino Tem no dna a covardia pura Na net bota a cara Mas se borra em frente da bruta Ramela no enquadro saca O lixo segue firme e Não respeita nem mulher casada Cidadão de bem pra sua corja Pra nos segue prego Traiu, fingiu demencia Esquecendo Que é o certo é correto Dignidade foi pro saco Reflete na injúria Manchando todo tema E de quebra ferrando a luta A casa vai cair Segura o baque cretino Tem poucos coerente Refletindo no erro bandido Sem propagar o vitimismo A tropa sempre atenta Pra safado é só desprezo Sendo exposto sangrando na arena Vivo ligeiro com falso cristão Bate na esposa Da risada No outro dia implora redenção Depois que cai em cana Vira santo A mãe rainha Esquece o ensinamento da quebrada Respeite as mina É rato em todo canto Seu odio agrada macho E por isso Falhou no seu plano Queremos só distância Arrombado Ouviu nosso conselho Vai de ralo traiu o ditado Mas na quebrada é duzentão Aqui a chapa esquenta Sem descanso passando a visão Papo de homem não faz curva E nem chora em divã Sou cria de uma guerreira Que ensinou respeitar o meu clã Refrão Refém da covardia porém Diante ao trauma acuada além Passa a visão vamo No 12 fechadão Segue e vem Se ramelou é poucas Testa que tem É isso Refém da covardia porém Diante ao trauma acuada além Passa a visão vamo No 12 fechadão Segue e vem Se ramelou é poucas Testa que tem
COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!